BR 116, Km 03. Jardim América - Mafra/SC • (47) 3642-4264

Vila Ivete tem o maior índice no município em intervenção do Conselho Tutelar, foram 41 casos confirmados.

Publicado em: 16/02/2017



Vila Ivete tem o maior índice no município em intervenção do Conselho Tutelar, foram 41 casos confirmados.


Na última terça-feira, 14, os dois oradores inscritos conduziram o debate da sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Mafra. Na ocasião, foram apresentados os dados de 2016 do Conselho Tutelar de Mafra e uma reivindicação da Associação de Diabéticos do município.

 

O representante do Conselho Tutelar, Fábio Rodrigues, relatou que foram aproximadamente duas mil orientações no último ano. O bairro com mais incidentes é a Vila Ivete, teve 41 casos confirmados de intervenção tutelar.

 

- Não somos um órgão punitivo, um órgão opressor. Não somos um concorrente dos pais, somos um parceiro dos pais para orientar, indicar e encaminhar. Nós encaminhamos para os programas existentes no município e ao Ministério Público, quando os direitos das crianças e adolescentes são violados – explica.

 

Entre alguns problemas enfrentados, o conselheiro Rodrigues apresentou como os principais: abrigo para adolescente usuário de drogas, prioridade no atendimento do Pronto Atendimento do Hospital São Vicente de Paulo, a ausência de computadores que suportem o Sistema de Informação para Infância e Adolescência (Sipia) e cursos de capacitação para os conselheiros tutelares.

 

Os vereadores se comprometeram em enviar uma indicação ao Executivo sobre o atendimento prioritário e também se comprometeram em ajudar a instituição dentro dos limites do Legislativo.

 

Outro momento importante da sessão foi à participação do representante da Associação de Diabéticos de Mafra, Amauri Grein, 36 anos. No uso da tribuna, Amauri relatou a dificuldade enfrentada pelos diabéticos da cidade que precisam se deslocar para os grandes centros em busca de tratamento. O problema relatado é de que as consultas não ocorrem dentro do período adequado e que os mais de 500 portadores da diabetes precisam de um endocrinologista local.

 

Relatando sua história de vida, Amauri contou que a demora de uma consulta com um endocrinologista levou a perder parte da visão, hoje ele tem apenas 20%, e não consegue dar continuidade ao tratamento pelos longos espaços entre as consultas. Segundo Amauri, a Associação busca um endocrinologista no quadro de médicos municipais para que as consultas ocorram em um período de tempo menor e que o acompanhamento adequado seja feito, pois são mais de 500 pessoas com diabetes na cidade.

 

Fonte: Chayenne Cardoso/Assessoria de Imprensa da Câmara de Vereadores de Mafra